Como calcular os juros do cheque especial e não se endividar

By 24 de junho de 2015 Dicas No Comments
2160544145_a2e4ed61df_b

O cheque especial, limite de crédito pré-­aprovado disponibilizado pelos bancos em conta corrente, pode ser útil em casos de emergência, mas deve ser usado com cuidado. Apesar de ele ser muito popular (principalmente pela facilidade para usá-lo), seus juros estão entre os mais altos das linhas de crédito ­atualmente: os dos principais bancos brasileiros variam entre 9,49% a 13,67% ao mês.

O risco de endividamento é alto porque os juros do cheque especial são cobrados mensalmente, mas seu cálculo é diário. As taxas incidem sempre sobre o saldo devedor (aquele que foi realmente utilizado do total liberado pelo banco).

Para descobrir como a sua dívida aumenta a cada dia, pode­-se utilizar o seguinte cálculo:

1) Divida a taxa mensal de juros de seu banco por 30 para saber qual é o percentual cobrado por dia. Por exemplo, no Banco do Brasil, em que a taxa é 9,84% ao mês, o valor ao dia fica em torno de 0,32%.

2) Multiplique número de dias em atraso pela taxa de juros ao dia. Se a taxa de juros diária é 0,32% e o cliente atrasa o pagamento por 14 dias, os juros sobre o valor devido será de 4,48%

3) Aplique o juros na dívida. Se o saldo devedor nesse caso é de R$ 500, os juros de 4,48%, referente aos 14 dias, aumentarão a dívida em R$ 22,40. Se o saldo seguir R$ 500 negativo por um mês, serão R$ 49,2 sobre a dívida inicial.

No entanto, alguns bancos não cobram os juros sobre o valor utilizado se o correntista cobrir o saldo devido em até 10 dias. Por isso, o cheque especial é mais indicado quando se pode sanar a dívida em curto prazo ­ se você sabe que irá receber dinheiro em poucos dias, por exemplo.

Mas atenção: caso o cliente ultrapasse 10 dias, o banco cobrará os juros de todo o período. Ou seja, se você ficar 11 dias no cheque especial pagará juros sobre 11 dias de empréstimo e não apenas por um.

Nesses casos, em que o cliente sabe que precisará de mais tempo para cobrir a dívida, são mais indicados outros tipos de crédito, divididos em parcelas menores e com taxas de juros mais baixas – como o crédito consignado ou o empréstimo pessoal.

Para prevenir surpresas desagradáveis, é recomendável, ainda, pesquisar sobre as taxas antes de escolher o banco. Cada um pode estipular um valor diferente à taxa de juros. Se você preferir não contar com o cheque especial, o cancelamento do serviço pode ser feito a qualquer momento.

Foto crédito: William Grootonk / flickr.com/photos/catatronic

Leave a Reply