Como o dólar a R$4 afeta o dia a dia do consumidor?

By 22 de setembro de 2015 Dicas No Comments
Crédito imagem: Torange-pt.com

Crédito imagem: Torange-pt.com

 

O ‪dólar‬ atingiu hoje o valor mais alto desde a criação do ‪Plano Real‬, em 1994. Entre o as reclamações e as piadas nas redes sociais, é importante entender como isso afeta o nosso dia a dia. Claro que os mais afetados são quem tem viagem marcada para o exterior, mas eles estão longe de ser os únicos.

Todos os ‪‎produtos importados‬ (que não são poucos) estão ficando mais caros com a alta da moeda e devem continuar a subir. É importante ficar atento a quais produtos que consumimos no dia a dia são importados ou tem matéria-prima vinda do exterior. Por exemplo, cerca de 50% do trigo consumido no Brasil vem de fora, o que quer dizer que produtos como massas e pães estão ficando mais caros.

Além do trigo, boa parte dos eletrodomésticos, eletroeletrônicos, brinquedos, produtos de higiene e itens de limpeza são importados e os preços devem continuar subindo em função da cotação. É muito importante comparar os preços e pesquisar se é possível substituir os produtos por similares produzidos no Brasil.

Se quem costuma comprar produtos do exterior pela internet ainda não diminuiu as compras, está na hora. Além da cotação deixar os produtos muito caros, a tendência da moeda é de alta e fica díficil saber qual será a cotação no dia do fechamento da fatura. Sem contar que ainda é preciso pagar IOF em cima da compra.

Quem tem viagem marcada para o exterior realmente tem um problema em mãos. O ideal é adiar a viagem e priorizar destinos nacionais, ou ainda optar por viajar para países onde a cotação seja mais favorável.

O problema é que todas as passagens de avião ficam mais caras com a alta do dólar, então o melhor é optar por locais onde é possível ir de carro ou ônibus. Se você tem viagem para o exterior marcada e não tem como adiar, a melhor opção é segurar a ansiedade, monitorar a cotação e comprar a moeda aos poucos. Assim você pode ter uma boa cotação média no final, já que o dólar deve seguir instável.

Leave a Reply